AES integra Observatório da Segurança Privada

A Associação de Empresas de Segurança (AES) é uma das entidades que fundaram o Observatório da Segurança Privada (OSP), que tem como “grande missão” denunciar as irregularidades do setor, nomeadamente as “más práticas” das empresas e o trabalho não declarado ao Estado.

“A grande missão e mais urgente do observatório é denunciar as irregularidades que são perpetradas diariamente no setor, que são as más práticas que se consubstanciam no trabalho não declarado com prejuízo grave para os trabalhadores e para o Estado”, disse aos jornalistas João Carlos Ferreira Lima, coordenador atual do OSP e diretor-geral da AES.

Segundo o recém-criado observatório, o trabalho não declarado acarreta “graves consequências ao nível da perda de receita fiscal do Estado”, que é lesado em 30 milhões de euros, e da quebra do volume de emprego em menos quatro mil postos de trabalho.

Além da AES, participam no OSP a Associação Nacional das Empresas de Segurança (AESIRF), a Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores de Serviços (FETESE), o Sindicato Nacional da Industria e da Energia (SINDEL) e o Sindicato dos Trabalhadores de Serviços de Portaria, Vigilância, Limpeza, Domésticas e Profissões Similares e Atividades Diversas (STAD).

AES integra Observatório da Segurança Privada